Ocorreu um erro neste gadget

segunda-feira, 15 de março de 2010

Sonho ou realidade?

Sabe quando você tem um sonho tão real que chega a confundir com a realidade? Quando você acorda e não tem certeza se aconteceu, se foi pura nostalgia, se foi sonho, o que é que foi?
Esta última noite eu tive um desses. Foi um sonho real. Acordei com as pernas fisica e literalmente doloridas... no sonho eu corri. Foi no momento em que senti a dor física que comecei a questionar até que ponto foi realmente apenas um sonho. Me belisquei para ter certeza de que não estava sonhando ainda... Senti o belisco, mas também sentia a dor nas pernas. A dúvida permaneceu.
Foi tão real. Foi palpável, a ponto de relfetir na minha realidade matinal. Os cheiros eram reais. As cores vivas. A corrida me pareceu bem real. Mas o que mais me impressionou foi o tato. Eu realmente senti quem abracei no sonho. Edu. Foi então que me dei conta que realmente foi sonho.
Edu faleceu tem 1 ano, 1 mês e 18 dias. Um total de 413 dias. A ficha caiu. Infelizmente foi sonho. Nós corremos muito no sonho. Um determinado momento para chegar a tempo numa sala de cinema. Em outro, para não chegarmos atrasados num almoço de família. Noutro, para chegar no Maracanã. Estranho... ele era tricolor doente, e eu sou flamenguista, doente também.
A ficha foi caindo na medida em que ia me relembrando dos detalhes. Tinha sido um sonho.
Mas sempre que me lembrava dos abraços que demos, me parecia real. Ele estava tímido. Quieto. Não falou quase nada o sonho inteiro. Na verdade, não me lembro de ouvir sua voz. Mas os abraços... o tato foi real. Até o cheiro. Eu senti seu cheiro. Acordei com seu cheiro, pois segundos antes de acordar, a gente estava se abraçando, porque conseguimos chegar a tempo na tal sala de cinema. Foi um final de sonho de puro alívio. Para ambos. Ele não disse nada, me abraçou, e entramos na sala escura, sentamos junto ao corredor na penúltima fileira e o filme começou. Acordei.
Desde 28 de Janeiro de 2009 eu imploro para sonhar com ele de maneira feliz e real. Imploro para vê-lo, tirar a terrível "última imagem" que tinha dele. Finalmente chegou esse momento.
Passei o dia inteiro quieta e pensativa. Mas feliz por dentro. Eu tive, finalmente, após 413 dias, a oportunidade de vê-lo, senti-lo, abraçá-lo. Foi bom.
Não sei se terei outra oportunidade dessas tão cedo, e quero manter essa imagem clara e viva na minha mente. Esta é minha "última imagem" atual dele.
E por isso sorrio.

Obrigada.
RIP - te amo.

3 comentários:

  1. Super obrigada Dudu... foi realmente incrível... ainda estou com a linda imagem na cabeça... e espero que assim permaneca por muito e muito tempo.
    Forte abraço!

    ResponderExcluir
  2. Um sonho desses com certeza foi real.

    ResponderExcluir